A inclusão no Ensino Superior

Símbolo do SINES 2017 com a união do símbolo internacional de acessibilidade com um S. Há também a informação da data de realização do evento, nos dias 20 e 21 de setembro de 2017.

No final de setembro estivemos em São João del-Rei para participar do V Sines – Seminário de Inclusão no Ensino Superior. O seminário aconteceu no campus Dom Bosco da UFSJ – Universidade Federal de São João del-Rei. Lá ministramos uma oficina e participamos de uma roda de conversa sobre o tema geral do evento.

A inclusão das pessoas com deficiência no ensino superior ainda é algo muito recente em nosso país e as questões que surgem como discussão de como fazer essa inclusão é algo que deve ser considerado um grande avanço na educação das PcDs, pois se um dia já pensou que essas pessoas não tinham sequer a capacidade de aprender e de estar em uma escola, hoje, muitas delas estão cursando ensino superior. Essa questão é tão recente que nem mesmo nossas legislações abordam o ensino superior em alguns momentos. E mais recente ainda, com a alteração da lei de cotas para abranger também as PcDs, essa possibilidade de estar em um curso superior é ainda maior.

A grande questão que fica é, assim como em todas as esferas da inclusão escolar, como está a qualidade do ensino proposto? Muitos são os desafios para garantir a permanência desse estudante nas instituições de ensino superior. O processo de inclusão perpassa por vários pontos que não necessariamente dizem respeito apenas à instituição de ensino que aquele aluno está matriculado, mas por vezes a faculdade

Sim, os desafios ainda são muitos e de vários aspectos, mas continuo acreditando na inclusão, continuo trabalhando para que a inclusão aconteça de fato, pois os benefícios dela são muitos e para todos os envolvidos É preciso comemorar a chegada dessas pessoas no ensino superior, mas é preciso agir para que elas permaneçam lá e tenham uma formação adequada e com êxito.

O que fomos fazer no SINES?

Na oficina que ministrei no evento, abordei 10 grandes dicas para que a inclusão fosse colocada em prática. Para esse texto quero trazer uma dessas dicas:

Participei também de uma roda de conversa no segundo dia do evento, um dos pontos que mais me chamou atenção na discussão foi a participação (ou falta dela) dos gestores, principalmente quando nos referimos às escolas públicas. O distanciamento de quem propõe as políticas para os que a colocam em prática é algo que há muito tempo discuto e considero uma das maiores falhas no processo de inclusão em nosso país. Nada para nós sem nós, é um dos lemas das pessoas com deficiência e deveria ser colocado mais em prática por toda nossa sociedade.

O congresso foi um momento de muita troca, de discussões muito proveitosas. Eventos como esse são de extrema importância para proporcionar o diálogo entre a academia e a sociedade. Muitos professores da educação básica estavam presentes além de pesquisadores de renomadas Universidades. Esse contato é importante para que seja pensada uma pesquisa que se alie à prática e que ajude e auxilie o professor em sala de aula. Se você é professor, fique atento a eventos como esse. Essa é a quinta edição do Sines e ele é um evento totalmente gratuito, acontece todos os anos em São João del-Rei. Vale a pena participar, não apenas desse seminário, mas de outros eventos relacionados ao tema. Lá na nossa página no facebook e no nosso perfil no insta sempre divulgamos eventos relacionados à inclusão, siga a gente lá e fique de olho. E se tiver algum evento que queira que a gente divulgue, é só enviar as informações!

About Lídia Lopes

Inconformada com o preconceito e com uma educação não inclusiva tenta todos os dias fazer algo para que isso seja diferente. Mais que um valor moral, tornou isso sua profissão. Apaixonada por educação e inclusão. Sonha em viajar o mundo e num mundo que não seja mais preciso falar em inclusão, pois a inclusão pressupõe a exclusão.

Responder