Sobre receitas, pessoas e bolos de cenoura

Vários mini bolos de cenoura. Os bolos estão em fôrmas de papel brancas com bolinhas azuis e tem um pequeno enfeite em formato de cenoura em cima de cada bolinho. Todos estão sobre uma mesa e ao fundo há uma pequena escultura de um coelho.

Bata em um liquidificador os seguintes ingredientes:

  • ½ xícara de chá de óleo;
  • 3 cenouras médias raladas;
  • 4 ovos;
  • 2 xícaras de chá de açúcar;
  • 2 xícaras de chá e ½ de farinha de trigo.

Acrescente 1 colher de fermento em pó e asse em um forno a 180°C por uns 40 minutos. Para a cobertura você deve misturar no fogo 1 colher de sopa de manteiga, 3 colheres de sopa de chocolate em pó, 1 xícara de chá de açúcar e 1 xícara de chá de leite.

Depois de pronta, é só espalhar a cobertura por cima da massa.

Fácil e deliciosa, essa receita sempre funciona. Quer dizer, nem sempre, mas funciona bastante. Principalmente se você seguir à risca as orientações! Ela vai te entregar um resultado fantástico quase sempre. E você pode fazer essa receita aqui no Brasil, na Rússia ou no Senegal, ela vai funcionar.

Receita pra tudo

Talvez pelos resultados das receitas de bolo de cenoura serem tão gostosas, nós temos a tendência de procurar receitas para muitos outros assuntos. Na verdade, essa é parte da explicação de porque gostamos tanto de receitas, se elas já funcionaram antes é bem provável que funcionem de novo. Outra parte da explicação está na evolução. Nossos cérebros são treinados para conseguir os melhores resultados ao menor custo energético possível. E seguir passos pré-definidos é uma excelente forma de poupar energia. Pensar gasta muita energia, então se a parte de pensar já estiver feita e nós pudermos passar apenas para a parte de executar, nosso cérebro vai querer.

E nós gostamos tanto de receitas que queremos receita pra tudo! Já reparou a quantidade de listas de passos a seguir que estão todos os dias por aí? “7 Passos para uma vida de sucesso”, “Como passar no vestibular em 3 ações simples”, “5 Etapas para desfraldar seu filho”, “10 dicas para montar uma aula matadora”. Enfim, você já deve ter se encontrado com essa fórmula em algum lugar.

Tudo seria ótimo se não fosse o detalhe de que receitas são excelentes para situações onde uma ação produz apenas um resultado, mas nem tão boas assim para quando uma ação pode produzir múltiplos resultados. E sabe onde essa segunda situação é muito comum? Pois é, justamente quando lidamos com pessoas. Pessoas são diferentes umas das outras, então as mesmas ações podem ter resultados diferentes em pessoas diferentes. Você que é professor já deve ter visto isso em sala de aula quando aplica a mesma didática em várias turmas e os desempenhos são muito diferentes. E para piorar a situação, as pessoas mudam ao longo do tempo. Ou seja, as ações que um dia funcionaram muito bem, já não funcionam mais depois de alguns anos. Isso pode nos deixar um pouco perdidos sobre como agir. É realmente muito triste descobrir que pessoas não são como os bolos de cenoura.

Um bolo de cenoura com cobertura de chocolate está sobre um pequeno prato vermelho com detalhes brancos. Também no prato está um garfo. O prato está sobre uma mesa com uma toalha com estampas coloridas. Ao fundo há outros dois pratos com bolos, também sobre a mesa.

Servido?

Jogo minhas receitas no lixo?

Mas espera um pouco! Antes de jogar o livro de receitas fora, ainda dá pra aproveitar muita coisa. Antes de mais nada, é preciso entender que muitas receitas são baseadas em experiências que deram certo. Provavelmente esse resultado positivo veio depois de muita cabeçada, então não precisamos dar as cabeçadas todas novamente. Além disso, a receita pode ser baseada em uma teoria bem estudada. Tempo de estudo é outra coisa que não podemos jogar fora. Então não vamos descartando tudo assim de cara. As receitas não podem é ser usadas de qualquer maneira, mas com jeitinho elas podem ser muito úteis.

Aqui na L2, nós usamos soluções personalizadas, mas também aprendemos muito com as receitas prontas. Por isso, vou passar pra vocês alguns dos nossos macetes.

A Receita L2 pra seguir Receitas

  1. Entenda o contexto. Quem montou essa receita? Onde ela foi montada? Baseada em quais experiências? Responder essas perguntas é fundamental para saber se a receita guarda alguma relação com a sua realidade. A clareza a respeito das situações vai lhe dar uma boa noção do que precisa ser adaptado e como adaptar. Saber que a pessoa montou a receita na Alemanha vai mostrar que talvez você não encontre por aqui aquele fermento especial e tenha que comprar um na padaria da esquina mesmo.
  2. Procure o conceito usado para fundamentar a receita. É importante saber para quais situações aquele conceito pode ser usado. Isso é importante para você não tentar fazer um bolo fit usando farinha de trigo comum. Você pode até conseguir um bolo gostoso, mas ele jamais será saudável como foi pensado por quem elaborou a receita.
  3. Veja qual a intenção de cada item da receita. Esse dá menos trabalho do que parece, pois a maioria das receitas já vem com uma pequena explicação em cada item. Mas é fundamental saber onde se quer chegar com cada passo para que você possa saber se na sua situação esse objetivo vai ser alcançado. Não dá pra querer engrossar a massa colocando mais leite, né?
  4. Adapte as ferramentas que você não tiver. Em muitos casos a falta de ferramentas é o problema mais simples de contornar. Se você não tem batedeira, dá pra usar um fuê e mandar ver no braço mesmo. Vai ser quase a mesma coisa.
  5. Adapte os itens da receita. Esse é fundamental. Dificilmente você vai aplicar um método sem nenhum tipo de adaptação. E pra chegar nesse nível você vai precisar ter feito todos os anteriores. A adaptação precisa fazer sentido dentro da receita, senão o resultado pode ser muito diferente do esperado. Mas diga aí, quem nunca trocou o chocolate ao leite pelo meio amargo e obteve um resultado excelente?
  6. Use a criatividade! Adaptações requerem uma boa dose de criatividade. Mas isso se treina com o tempo. Quanto mais adaptações você fizer, mais fácil vai ser fazer as novas. A experiência ajuda muito! Ninguém imagina que colocar aquele suco de limão no bolo de cenoura fica bom, mas pode ficar excelente!

Lidar com pessoas com deficiência não é uma ciência exata, por isso as receitas são complicadas de serem aplicadas diretamente. Mas com um esforço menor do que criar um método do zero, você consegue bons resultados. E se puder, compartilhe com os outros o que deu certo pra você, as adaptações que você fez, os conceitos que aplicou, qual o seu contexto. Tudo isso pode ajudar muito outros profissionais que estão com dúvidas que você já teve!

Você já teve que fazer adaptações em receitinhas que passaram pra você e não estavam funcionando? Deixa aqui nos comentários! E compartilhe esse texto pra que mais pessoas possam começar a ter mais sucesso com suas receitas. Nós também estamos no Facebook e no Instagram! Segue a gente lá!

Até a próxima!

About Mateus Porreca

Um sonhador que acredita que o mundo pode ser melhor do que é! E nesse mundo melhor cabem todas as pessoas, juntinhas e sem exceção! Adora Senhor dos Anéis, Star Wars, C. S. Lewis e viajar! E claro, gosta muito de um bom papo!

Responder