Família e Escola

Não me canso de comentar sobre a importância da parceria família e profissional no processo de desenvolvimento e inclusão das pessoas com deficiência. É muito representativo o impacto e a diferença quando essa parceria acontece e quando não acontece também.
Na escola não seria diferente. É nítida a diferença que faz na inclusão escolar quando a família é parceira da escola.
Mas vale um alerta! Não é parceria quando aquela família só briga com a escola ou quando a escola joga toda a responsabilidade para a família.
Já vi muita escola negar o direito de inclusão para as crianças. Já vi muitos profissionais não saberem lidar com a situação. E já vi muita mãe que, na tentativa de brigar pelos direitos da criança, acaba trazendo distanciamento desses profissionais.
Não estou dizendo que a família não deve lutar por esses direitos, muito pelo contrário, eu sei de perto todos os desafios que existem. No entanto, ao dialogar e fazer com que o profissional entenda a outra perspectiva, a família poderá ganhar um grande aliado para que os direitos da criança sejam respeitados e para que a inclusão aconteça de fato.
Por que é importante essa parceria? Porque a família conhece todas as particularidades da criança e pode compartilhar algumas dessas informações com a escola, facilitando assim o trabalho deles de entender qual melhor maneira aquela criança aprende.
Por muitas vezes também é a família que fará a ponte entre a escola e as profissionais que atendem essa criança fora dali. E todos juntos têm muito a contribuir com a inclusão e o desenvolvimento dessa criança.
E por fim, deixo aqui o meu pedido e, também um desabafo de quem luta e acredita na inclusão escolar e na importância da parceira para que isso aconteça:

• Pais, vocês não estão ajudando a inclusão dos seus filhos se ficarem só brigando com a escola.
• Professores, vocês não podem usar do argumento da formação para não incluir essa criança.
• Escola, pela legislação brasileira atual, seu responsável legal pode ser preso (isso mesmo, cadeia!) se essa inclusão não acontecer.
• Profissionais da saúde, insistam na participação de vocês nesse processo de inclusão.
• Pais, professores, escolas e profissionais da saúde, peçam ajuda quando vocês se sentirem perdidos e/ou sozinhos nesse processo.

Quer conversar um pouco mais sobre isso? Pode me chamar, terei muito prazer em bater esse papo.

About Lídia Lopes

Inconformada com o preconceito e com uma educação não inclusiva tenta todos os dias fazer algo para que isso seja diferente. Mais que um valor moral, tornou isso sua profissão. Apaixonada por educação e inclusão. Sonha em viajar o mundo e num mundo que não seja mais preciso falar em inclusão, pois a inclusão pressupõe a exclusão.

Responder