Como o vínculo afeta o processo de ensino e aprendizagem?

uma foto de uma corda dando um nó e o nó está formando um coração, e em cima da imagem está escrito: criando vínculos

Você já parou pra pensar o quanto o vínculo é importante no processo de ensino e aprendizagem?

Você tem alguma memória de alguma coisa que aprendeu e que te marcou bastante? Agora pensa se você se identificava com o professor dessa matéria, provavelmente sim. Quando gostamos do professor, as chances de prestar atenção no que ele está dizendo são bem maiores.

Como podemos criar esse vínculo com nossos estudantes?

Nos aproximar da realidade deles é uma boa maneira. Aí entra a senhora Empatia, já ouviu falar sobre ela? Se colocar no lugar do outro, entender o que o outro pensa, entender sua forma de aprender, não ensinar o conteúdo apenas pelo conteúdo, mas ensinar pensando no contexto que a criança ou adolescente estão inseridos.
Pode ter certeza de que isso funciona bem para todas as crianças, inclusive para as crianças com deficiência. Mostrar para seus educandos que você se preocupa com eles, que você os ama e quer vê-los aprender. Formar vínculo! Vínculo é uma ligação afetiva, é ter afeto, me sensibilizar com a realidade vivida pelo meu aluno, conhecer a família, o bairro onde mora, saber um pouco da história de vida e entender o quanto cada uma dessas características influenciam seus comportamentos dentro da escola.

Por onde devo começar?

Acreditar que eles vão aprender é um excelente começo. Você acredita que todos podem aprender? Pois eles podem! Isso inclui as pessoas com deficiência intelectual. Elas também aprendem! E se elas não estão aprendendo você pode buscar outro método que melhor atenda a necessidade dela. Claro que cada um aprende no seu ritmo e em suas limitações, mas todos podem aprender. Ter a sensibilidade de entender a maneira de aprender do meu estudante é consequência desse vínculo. Quando a gente ama, busca sempre as melhores oportunidades! Crie vínculo com sua criança!

Quando não há vínculo…

Certa vez ouvi de uma diretora que na escola dela eles não se preocupavam com o ensino da criança com deficiência, que elas estavam ali apenas para socializar, perguntei a ela se ela gostaria de ouvir que os filhos dela estavam indo à escola apenas pra socializar, e ela me olhou assustada e disse: “Mas é diferente, meus filhos aprendem!”. Se você pensar dessa maneira não conseguirá nunca incluir verdadeiramente seu aluno, mas se você acreditar nele, acreditar no seu potencial, respeitando suas limitações, será um grande início pra que a inclusão aconteça. Essa diretora não criou vínculo com as crianças da escola dela. E você, tem vínculo com os alunos?
Acredite! Inclua! Precisa de ajuda? Conte conosco…

About Lídia Lopes

Inconformada com o preconceito e com uma educação não inclusiva tenta todos os dias fazer algo para que isso seja diferente. Mais que um valor moral, tornou isso sua profissão. Apaixonada por educação e inclusão. Sonha em viajar o mundo e num mundo que não seja mais preciso falar em inclusão, pois a inclusão pressupõe a exclusão.

Responder