A Paralimpíada e suas categorias

Em primeiro plano está uma ciclista paralímpica em sua caderia de rodas triciclo com rodas roxas. Ao fundo, outro ciclista paralímpico.

Eu não sei vocês, mas se tem uma coisa que me deixa muito impressionado no universo das pessoas com deficiência é a paralimpíada. Ver pessoas que normalmente são tão subestimadas pela sociedade fazendo coisas que a maioria das pessoas sem deficiência jamais conseguiria é realmente muito incrível!

Nós acompanhamos o Mundial de Atletismo Paralímpico que aconteceu na semana passada em Londres. Inclusive, publicamos algumas fotos no nosso Instagram (@l2inclusão) com os paratletas brasileiros que estavam competindo e mostrando alguns momentos da competição.

Foi interessante, porque em todas as postagens que noticiavam medalhas ganhas, vinham também com a categoria em que daquela prova. Nesse texto vou tentar explicar um pouco da lógica e do funcionamento dessas categorias. Bora lá!

As categorias da paralimpíada

Você deve imaginar que com os vários tipos de deficiências e também as várias limitações diferentes que elas impõem, não dá para simplesmente colocar todo mundo numa pista de atletismo para competir. A competição precisa ser justa e por isso é necessário separar os paratletas em categorias que deixem eles em pé de igualdade. A definição dessas categorias passa por vários critérios. Segundo o manual do Comitê Paralímpico Internacional, é preciso responder a 3 perguntas para poder classificar cada atleta.

1 – O paratleta está numa das categorias de deficiência que são permitidas para esse esporte na paralimpíada?

Pode parecer estranho, mas nem todos os esportes paralímpicos têm categorias para todas as deficiências. É preciso que a deficiência realmente impeça a pessoa de competir com atletas típicos nas provas tradicionais do esporte. Por exemplo, um nadador surdo não tem praticamente desvantagem nenhuma em relação a um competidor ouvinte. Então, não há porquê haver uma categoria para eles na paralimpíada. E do mesmo jeito acontece com todos os outros esportes. São 10 tipos de limitações que são permitidos.

  • Deficiência na força muscular;
  • Deficiência na amplitude de movimento;
  • Deficiência de membro;
  • Diferença de tamanho entre as pernas.;
  • Baixa estatura;
  • Hipertonia;
  • Ataxia;
  • Atetose;
  • Deficiência Visual;
  • Deficiência Intelectual.

Cada federação internacional de um esporte já tem determinadas quais dessas características são consideradas para admissão de paratletas. Esportes como atletismo e natação, admitem todas elas. Já outros admitem apenas algumas, como a de Golbol, que por motivos óbvios só admite deficientes visuais (se você não conhece o Golbol, dá uma olhada nesse vídeo que você vai entender direitinho). Com essas categorias, a única grande deficiência que fica de fora da paralimpíada é a surdez. Fiquei aqui pensando e não sei se há alguma outra deficiência que não se encaixe em pelo menos uma dessas categorias. Se você lembrar de alguma, comenta aqui embaixo!

2 – A limitação do paratleta preenche os requisitos mínimos do esporte?

Esse critério serve para verificar se a deficiência causa uma limitação grande o suficiente para que o paratleta não seja capaz de competir com atletas sem deficiência em pé de igualdade. Essa classificação é bastante técnica. Geralmente ela é definida por critérios médicos e medidas objetivas. Por exemplo, para se enquadrar no critério de baixa estatura a pessoa deve ter uma certa altura máxima. Ou para competir nas categorias de deficiência visual, ela deverá ter uma acuidade visual máxima. Além disso, os critérios adotados devem ter como referência alguma pesquisa científica que indique os impactos da deficiência na prática esportiva. E é claro, eles também são diferentes de esporte para esporte, já que as atividades são diferentes.

É importante frisar que se uma pessoa não preencher os critérios de limitação mínima para competir em um esporte, isso não significa que ela não tem uma deficiência ou que ela não lhe cause nenhuma limitação. Essa regra é apenas para evitar competições injustas onde alguém pode levar vantagem sobre outras. O Comitê Paralímpico Internacional deixa bem claro que suas classificações não são diagnósticos médicos sobre as deficiências. Eles são apenas padrões para competições esportivas.

3 – Qual a classe dentro do esporte que melhor descreve a limitação do atleta?

Bom, o paratleta se enquadrou numa das classificações da pergunta 1 e também tinha uma limitação grande o suficiente de acordo com a pergunta 2. Agora é hora de saber, dentro do esporte que ele pratica, qual a categoria que ele vai se encaixar. Como tudo desde o princípio, a separação é em função da limitação e não da deficiência do paratleta. Por isso é possível que numa mesma prova estejam competindo lado a lado um paraplégico e um amputado de membros inferiores, mesmo as deficiências sendo diferentes. Aqui, cada federação internacional vai tentar agrupar as limitações o melhor possível. O número de categorias por esporte varia de uma a dezenas. O Futebol de 5 só permite uma categoria, enquanto o Atletismo possui 52!

Jogo de volei sentado da seleção brasileira. A cena mostra um ataque da seleção brasileira e uma tentativa de bloqueio do adversário.

As avaliações dos atletas

Os atletas são avaliados por profissionais treinados e habilitados pelas federações internacionais. Cada uma tem um sistema próprio, mas no geral as federações têm comissões que fazem as avaliações e emitem seus pareceres. As avaliações podem acontecer periodicamente, logo antes das competições e até mesmo no meio das competições.

Foi o que aconteceu com o Clodoaldo Silva, nadador brasileiro 6 vezes medalhista de ouro em paralimpíadas. Até 2006 ele competia na categoria S4. Mas no meio do mundial, a comissão de avaliação solicitou uma nova avaliação dele e o reclassificaram para a categoria S5. Na natação paralímpica, a categoria S4 é para pessoas com mais limitações que a categoria S5. A mudança afetou de maneira muito forte a carreira de Clodoaldo, fazendo com que ele competisse com atletas muito mais velozes do que aqueles da sua categoria anterior. A mudança foi de apenas uma categoria, mas foi bastante significativa. Ainda assim, Clodoaldo nadou até as olimpíadas do Rio em 2016 e encerrou sua carreira com 14 medalhas em paralimpíadas. Fico imaginando quantas pessoas já foram consideradas por 6 vezes as melhores do mundo naquilo que fazem…

As categorias e a inclusão

Pensando a respeito dessas categorias, é impossível não relacionar com os conceitos que nós trabalhamos todos os dias na inclusão escolar das pessoas com deficiência. Avaliar cada pessoa de acordo com as suas limitações e propor soluções para que eles não estejam em inferioridade a nenhum outro. É disso que trata a inclusão! Não é sobre facilitar a vida de ninguém, mas sim de garantir que todos tenham condições de participar plenamente e com chances de vitória da corrida da vida. Muitas vezes pensamos nos atletas paralímpicos apenas como exemplos de superação, mas a paralimpíada nos ensina muito mais do que isso. Ela nos ensina que, dentro das condições certas, todos podemos vencer. Que se eu tiver adversários compatíveis com as minhas limitações, posso ser um grande campeão. E que todos têm o seu lugar no mundo que, se descoberto, pode proporcionar as maiores conquistas! É muito bacana pensar que o Espírito Olímpico tem muito a ver com a inclusão. Garantir uma competição justa é o que todos buscamos, seja na natação, na canoagem, na corrida ou na vida.

Você professor, pode trabalhar as paralimpíadas em sala, mostrar os conceitos envolvidos e toda essa simbologia. Tenho certeza que seus alunos vão gostar muito de conhecer as categorias e vão se impressionar com o que esses atletas são capazes de fazer. E especialmente para os professores de educação física, as paralimpíadas podem servir tanto de inspiração como de referência na forma como lidar com os alunos com deficiência.

E vocês pais, já pensaram em incentivar seus filhos a praticarem algum esporte? A atividade física, além de trabalhar o corpo, também ajuda a trabalhar outras áreas da vida, como a social. Pense nisso!


Saiba Mais

Nesse link você encontra um manual em inglês do Comitê Paralímpico Internacional explicando muito bem todas as categorias de todos os esportes que fazem parte da competição.

E aqui, uma reportagem explicando um pouco a respeito da mudança de categoria do Clodoaldo Silva.

E nesse outro um pouco sobre sua aposentadoria.

Você já conhece as nossas redes sociais? Estamos no Facebook e no Instagram! Curte a gente lá pra poder receber todas as nossas postagens e também outras informações muito bacanas!

About Mateus Porreca

Um sonhador que acredita que o mundo pode ser melhor do que é! E nesse mundo melhor cabem todas as pessoas, juntinhas e sem exceção! Adora Senhor dos Anéis, Star Wars, C. S. Lewis e viajar! E claro, gosta muito de um bom papo!

Responder